Framework x Biblioteca x API. Entenda as diferenças!

Não, não são a mesma coisa e possuem funções diferentes! Entenda as principais diferenças entre frameworks, bibliotecas e APIs, confira!

Se você pretende ser um desenvolvedor de sucesso, no mínimo, precisará conhecer os recursos disponíveis para aperfeiçoar o seu trabalho. Mas mais do que saber usar ferramentas de desenvolvimento, é fundamental entender os conceitos e diferenças entre elas.

Nem sempre essa é uma tarefa fácil em meio a tantas expressões. Por isso, é hora de esclarecer três conceitos básicos e muito importantes na área de desenvolvimento: Biblioteca, Framework e API.

Para iniciantes, essa é uma das dúvidas mais comuns do setor. Por isso, precisamos deixar isso o mais claro possível! Acredito que, ao final desse post, diversos acontecimentos da sua rotina vão fazer muito mais sentido. Então, continue lendo!

Bibliotecas

Biblioteca | Framework x Biblioteca x API. Entenda as diferenças!

Esse é o recurso mais utilizado no mundo da programação e muitas pessoas nem se dão conta do quanto utilizam. A ideia da biblioteca é compartilhar soluções por meio de funções ou métodos.

Se você tiver que fazer um trabalho de matemática, por exemplo, poderá ir até uma biblioteca física, pegar um livro e utilizar equações desenvolvidas no livro. Então, não será preciso desenvolver as equações desde o início. Em outras palavras, você não precisa reinventar a roda! Ainda bem, né?

Em programação, a biblioteca possui a mesma função. Desenvolvedores disponibilizam bibliotecas que possuem muitas funções prontas. Assim, outros programadores podem utilizá-las, permitindo que o desenvolvimento seja mais fácil e rápido.

Pode parecer que não, mas se você já desenvolveu programas que sejam um pouco mais complexos, certamente já utilizou uma biblioteca, mesmo sem perceber. Por exemplo, quando vamos fazer um sqrt em C, estamos utilizando a biblioteca math.h que possui a função de calcular a raiz quadrada de um número.

Quando você faz um Convert.ToInt32 em C#, está utilizando um método da classe Convert, que está na biblioteca System. Ou quando for fazer um toUpper em Java, você está usando a biblioteca java.Lang. Todas essas bibliotecas são externas ao seu projeto, porém, nativas da sua respectiva linguagem. Se for necessário, você também pode importar bibliotecas que não são nativas. Além disso, também é possível criar bibliotecas internas no seu projeto.

Para darmos um exemplo ainda mais popular, podemos citar o jQuery, talvez a biblioteca mais conhecida no universo da TI, principalmente, se você trabalha com desenvolvimento front-end.

A grande vantagem das Bibliotecas

Uma das grandes vantagens da criação de bibliotecas é que você pode utilizá-las em diferentes projetos. Essa prática vai ao encontro de um princípio muito importante de Clean Code: a divisão de responsabilidades. 

Mesmo que você não utilize uma linguagem orientada a objetos, com o uso adequado de bibliotecas, é possível dividir muito bem as responsabilidades do código. Isto ajuda a evitar repetições! Já, nas linguagens orientadas a objetos, as bibliotecas auxiliam ainda mais nesse princípio, permitindo o baixo acoplamento. Todos esses pontos demonstram como as bibliotecas são poderosas aliadas quando falamos de desenvolvimento rápido de softwares complexos.

APIs

Muitos acreditam que API é um serviço externo acessado pela aplicação em questão. Na verdade, o que acontece normalmente é que cada serviço possui ou pode possuir uma API. Sim, isso causa muitos equívocos por aí!

Essa confusão se dá em função de o conceito de API ser um tanto quanto abstrato. Podemos dizer que trata-se de um tipo de documentação que orienta determinado programador quanto ao acesso a um aplicativo de software ou plataforma.

Basicamente, as APIs permitem que o desenvolvedor possa utilizar funcionalidades de aplicações já existentes no desenvolvimento do seu projeto. Também facilita a comunicação, integração e a interoperação entre aplicações.

A grande vantagem da API é que ela permite facilitar a utilização de bibliotecas externas no software. Cada programador pode desenvolver seu código da maneira que quiser. Porém, quando um padrão é convencionado, o desenvolvimento é simplificado, certo? Assim, é possível prever exatamente o que as funções irão fazer. Sem surpresas!

Quando um software acessa o relógio do Windows ou quando uma aplicação mobile acessa o mapa do GoogleMaps, estão utilizando APIs. Para entender um pouco mais sobre essa tecnologia, não deixe de ler o nosso post completo sobre APIs.

Frameworks

Esse é um conceito provavelmente ainda mais abstrato. Podemos dizer que é um conjunto de códigos abstratos e/ou genéricos que unem códigos com recursos iguais. Ou seja, está ligado à arquitetura do seu software.

Pensemos em uma tela de login! Normalmente, essas telas são muito parecidas em todas as aplicações, elas possuem campo para usuário, senha, um botão de recuperação de senha e um de ‘entrar’. Pensando nisso, alguns desenvolvedores criaram um framework que implementa essas funções no seu código. Assim, não é necessário reescrever o código sempre que for preciso criar uma tela de login.

“Obrigado tecnologia!”

As funcionalidades de um framework podem ser bem variadas. Entre elas:

  • Persistência de dados;
  • Mapeamento de banco de dados relacional;
  • Implementação de MVC em aplicações web;
  • Geração de logs;
  • E entre outras possíveis funcionalidades.

O framework está ligado diretamente ao código fonte da aplicação. Isso significa que, para cada linguagem de programação, teremos frameworks diferentes, mesmo que eles exerçam a mesma função. Afinal, a criação de uma tela de login é diferente no Java, no Python e no .NET.

Aí você deve estar pensando:

“Então, se os frameworks implementam funcionalidades que precisamos, eles devem ser muito utilizados pelos desenvolvedores, certo?”

Na verdade, nem sempre essa afirmação é correta, existem muitos frameworks que não são assim… “tão bons”. Muitas vezes, frameworks podem engessar o seu código, pois em alguns casos não provém flexibilidade em suas utilizações.

É preciso tomar muito cuidado ao implementar um framework externo ao seu código fonte. O ideal é saber trabalhar com o código do framework e não apenas suas funcionalidades. Assim, é possível evitar surpresas na implementação.

Para não deixarmos de citar alguns exemplos de frameworks famosos, segue uma pequena lista:

  • Java – Hibernate e Spring
  • Ruby – Ruby on Rails
  • JavaScript – AngularJS
  • Python – Django
  • PHP – Zend e Laravel
  • C# – ASP .NET
  • CSS – Bootstrap

Como aplicar essas tecnologias?

Como integrar esse conjunto de funcionalidades no seu desenvolvimento? Simples, se você for um desenvolvedor iniciante, o ideal é começar os estudos com tecnologias mais acessíveis para facilitar o entendimento de outras mais complexas em seguida. Por exemplo, aprender linguagens como Python e Ruby será excelente nesse momento inicial.

Após isso, aos poucos você começará a compreender o funcionamento das bibliotecas em cada tipo de linguagem, saberá como importá-las e poderá, inclusive, dar início às suas próprias bibliotecas.

O próximo passo é entender como funcionam as APIs. Nesse caso, com um curso de RESTful APIs, você estará preparado para implementar APIs externas em seu desenvolvimento e até mesmo criar APIs hospedadas em serviços na nuvem. Assim, você ou outros desenvolvedores poderão utilizar a API em seus softwares via web.

Pratique!

Por último, com conhecimentos consolidados em APIs, chegará o momento de testar ou desenvolver frameworks para suas aplicações. Caso você escolha testar uma aplicação que já exista, lembre-se sempre de que é preciso conhecer o código desses frameworks a fundo, pois possivelmente você precisará fazer modificações e terá que flexibilizar o código para a sua aplicação.

É claro que não existe uma regra! Alguns frameworks são muito bons e flexíveis, permitindo sua utilização logo no começo do aprendizado. Então a dica principal é: utilize qualquer aplicação que você tenha conhecimento do que ela realmente faz! Assim, serão menores as chances de ocorrerem problemas que você não saiba como resolver.

Espero que esse post tenha sido útil para você, ajudando a descomplicar esses conceitos que, em muitos casos, geram dúvidas e frustrações entre os profissionais novatos. Se ficar mais alguma dúvida, pode comentar aqui em baixo que logo respondo! Até a próxima, abraços!

30 de maio de 2017

Seja o primeiro a comentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © Becode. Todos os direitos reservados.

Login

ACESSAR COM

FACEBOOKGOOGLE CRIAR CONTA
Criar conta Back to login/register

Envie para um amigo