Ser programador no exterior? 5 dicas para tornar isso realidade!

Trabalhar fora do Brasil = sonho distante? Confira 5 dicas e veja como isso pode estar mais perto do que você imagina. Leia mais!

Trabalhar em terras além da nossa fronteira é um sonho para muita gente. A boa notícia pra essa galera é que hoje isso não é mais algo impossível ou para poucos. Muitas vezes aparecem notícias em nossas redes sociais, ou até na mídia, sobre a abertura de vagas no exterior para o mercado de profissionais brasileiros.

Mas será que isso é algo que realmente funciona? Vale a pena largar uma carreira no Brasil e tentar algo fora? Como anda o mercado de programação no exterior? Ganhar em dólar, euro… é possível?

Nesse post, você vai entender melhor esses pontos e pegar algumas dicas para começar uma carreira como programador fora do país. Tenho certeza que logo logo vai querer estar dentro de um avião!

1. Escolha uma linguagem e um framework.

Se você já é um desenvolvedor experiente, provavelmente já conhece esse princípio. Se não, fica a dica: domine uma linguagem e um framework. Se você quer ser um desenvolvedor com boa reputação no mercado, é muito importante dominar aquilo que você faz.

Imagine deixar seu carro para ser consertado em um mecânico que não entende muito bem da coisa, você não vai ficar seguro do trabalho que ele está fazendo. Ninguém quer isso, certo? Da mesma forma, as empresas procuram alguém que entenda daquilo que está fazendo.

Essa não é uma escolha fácil e certamente exigirá um pouco de pesquisa e orientação profissional. Podemos listar algumas coisas que você pode fazer nesse sentido:

Situação atual do mercado

Existem alguns rankings que os profissionais costumam usar para discutir quais são as principais linguagens em utilização hoje. Geralmente eles são desenvolvidos por empresas especializadas no assunto. Nesse artigo, fizemos um compilado dos rankings criados pelas maiores instituições quando o assunto é “principais linguagens de programação do mercado”.

Se uma linguagem está crescendo, logo ela é uma boa possibilidade de entrada. Contudo, existem outras questões importantes que podem fazer parte da sua análise de mercado. Vamos aos pontos!

Tendências do mercado

Sabendo quais linguagens estão em alta, é importante conseguir distinguir quais são as tendências para o ano corrente e para os próximos. Para acompanhar as tendências, procure notícias nos principais portais de notícia do Brasil e, principalmente, do resto do mundo! É muito importante saber o que está guiando o mercado e quais são as possíveis áreas que poderão ter um grande aumento no número de oportunidades a curto prazo. Sempre que puder, pesquise as informações mais recentes!

Tenha mentores

Apesar do que muitos dizem, nem sempre é possível e fácil encontrar todas as informações na Web. Por isso, procure ter mentores para sua carreira. Converse com empresários e profissionais do setor, o pessoal da Becode, blogueiros, enfim, pessoas do meio. De preferência, profissionais que possuam um bom background técnico.

Aproveite também para descobrir quais conhecimentos e habilidades as empresas querem encontrar em um funcionário. Essa troca de informações vai ajudar você a fazer a escolha certa!

Mantenha-se informado

Leia, leia, leia e leia mais! Mantenha-se atualizado e inserido nos acontecimentos do mercado. Mais do que pesquisas pontuais, procure estar sempre lendo sobre o setor. Assine newsletters de sites e blogs (como a Becode) e crie uma rotina de pesquisa na Web. Estas são formas interessantes de saber as mudanças que estão acontecendo na área e até de encontrar oportunidades de desenvolvimento profissional.

Esteja preparado para o mercado!

Opção 2: Cursos Livres | Carreira de TI

Agora que você já sabe quais são os primeiros passos, é hora de se preparar profissionalmente. Estou falando sobre a sua qualificação técnica! Abuse dos cursos online. Na internet, hoje você encontra cursos específicos de cada área, sendo uma excelente alternativa e complemento aos longos anos dedicados a faculdade.

Investir em cursos online pode ser muito interessante para atingir ótimos resultados do ponto de vista da qualificação profissional.

Pra quem já passou da parte de iniciação na área, eu sugiro escolher cursos com um pouco mais de complexidade, que vão te deixar pronto para o mercado de trabalho, como o curso de Ruby on Rails da Becode que é um treinamento completo.  Para o pessoal que deseja ingressar na área, as melhores escolhas são os cursos de introdução.

Com treinamentos como esses, você tem a oportunidade de conhecer melhor certas áreas da TI e, com isso, aprender e ter resultados rápidos!

2. Tenha um portfólio decente

Imagine que você vai casar e precisa escolher músicos e fotógrafos para seu casamento. Você pode receber inúmeras indicações, mas como saber se esses profissionais realmente atendem às suas expectativas? Simples, vendo seus trabalhos anteriores!

Com o portfólio profissional que é possível avaliar o trabalho desses profissionais. Na TI não é diferente. A única forma de saber se a pessoa desenvolve satisfatoriamente é vendo os materiais já produzidos. E para te ajudar a organizar e expor esse material existem dezenas de ferramentas na internet. Vou te indicar algumas delas:

Para o seu código

Se você quiser mostrar seu código para clientes e empresas, faça o versionamento deles. Ferramentas de versionamento são plataformas nas quais você pode disponibilizar o seu código para que outras pessoas consigam reutilizar, visualizar ou até colaborar. Além disso, você pode utilizar esses sistemas como um portfólio para o seu código!

Hoje as plataformas mais conhecidas e amplamente utilizadas para versionamento são:

Dê uma olhada nessas plataformas, escolha uma e organize o seu código!

Para mockups, protótipos e design

 

Para esses casos, existem mais opções. Já que são plataformas usadas por profissionais de TI, fotógrafos, designers, pintores e uma infinidade de outros profissionais gráficos.

Entre as plataformas mais conhecidas para esse objetivo, destaco a Carbon Made, Cargo Collective, Behance e entre outras. Contudo, se você tem o mínimo de habilidades com HTML, CSS e JavaScript e prática com alguma linguagem back-end e banco de dados, recomendo que você crie o seu próprio portfólio online.

Caso você ainda não possua todas as habilidades que citei acima, tente usar um template HTML ou WordPress. Te garanto que são simples de serem usados e, se você fizer direitinho, tenho certeza que seu portfólio ficará muito mais profissional e adaptado a sua personalidade, causando uma ótima primeira impressão.

3. Procurando oportunidades

Agora que você já escolheu uma linguagem, estudou e montou o seu portfólio, você precisa encontrar as oportunidades para colocar seus aprendizados em prática. Como o nosso foco é no exterior, vamos buscar oportunidades em outro país!

Networking

A primeira coisa que você precisa fazer e que acaba sendo a mais fácil, é o famoso networking. Comece adicionando profissionais no LinkedIn. Depois de escolher o país no qual você quer trabalhar, comece a procurar pessoas de lá também.

Eu sei, isso pode parecer um pouco sem noção, mas acredite, dá muito certo. Aliás, é uma prática bem comum nessa rede social. Aqui na Becode, temos casos de desenvolvedores que conseguiram trabalhos fora do país dessa forma.

“Job Search!”

Além do networking, o Linkedin também é uma ótima plataforma para encontrar empregos. Basta usar a função Job Search do site e procurar vagas de acordo com as linguagens que você domina. A vantagem de ter um networking forte é que você vai poder ver em sua timeline diversas oportunidades, já que muitos profissionais procuram por candidatos em seu próprio perfil pessoal do Linkedin!

Por falar nisso, não esqueça! O seu perfil no Linkedin precisa estar impecável!

Freela remoto?

Agora, se você quiser trabalhar como freelancer aqui do Brasil, também é possível. Inclusive, é uma ótima oportunidade de se aproximar de empresas estrangeiras para pleitear uma vaga fixa em um futuro próximo. Muitas empresas procuram profissionais assim, até mesmo para posições mais importantes, como a de um gerente de projetos ou desenvolvedores sêniores.

Existem vários sites que você pode consultar, aqui mesmo do brasil, para encontrar jobs freelancers no exterior. Nessa lista, você também encontra sites com vagas que vão além do dito ‘freela’. Qualquer um dos links anteriores são excelentes para dar um primeiro passo. Contudo, uma vez que você já decidiu para onde você pretende viajar, foque também nos sites que fazem mais sucesso naquela região.

4. Organizando o projeto

Supondo que você conseguiu uma oportunidade: como organizar o dia para trabalhar e conseguir ter tempo livre? Principalmente no caso de posições remotas, isso pode ser um desafio e tanto. Para isso, existem ferramentas que podem ser extremamente úteis para ganhar produtividade!

Mais do que uma lista do que fazer, é bom saber organizar suas atividades para tirar o máximo de proveito do seu dia-a-dia. Essencialmente quando se trabalha com equipes, onde você dependerá de outras pessoas. Nesses casos, é imprescindível pensar na gestão do tempo.

Para organização pessoal você pode usar listas de afazeres como o Todoist, que é bem competente no que faz, ou o Kanbanize. Para trabalhar em times, recomenda-se o uso do JIRA, Trello, Microsoft Teams e Slack, que são os grandes players desse imenso mercado de organização de projetos.

5. Como transferir dinheiro para o Brasil de forma barata?

Agora que você fez o projeto, como administrar as finanças e pagamentos? Esse costuma ser um dos maiores receios dos freelancers e de qualquer um que vá trabalhar em um lugar desconhecido, não é mesmo? A boa notícia é que existem opções para facilitar a vida nessas questões.

A melhor opção em custo-benefício é o TransferWise. Com ele você consegue transferir dinheiro entre contas de países diferentes, pagando a menor taxa possível. Outra opção bastante utilizada é o Western Union. Claro, sempre há a opção de enviar pelos Correios ou pela rede bancária, mas as taxas são imensamente maiores do que nos serviços acima citados. Fica a seu critério!

E aí, bora trabalhar no exterior!?

Como você viu, a caminhada é longa, mas podemos dizer que é possível sim trabalhar fora do país! Lógico, é preciso muito esforço e dedicação. Criar uma boa rede de relacionamentos e estar preparado é fundamental! Portanto, invista um bom tempo no Linkedin e em capacitação online. Além disso, faça uma boa pesquisa sobre o mercado que você quer ingressar. Apesar de esse post ser um bom guia inicial, alguma adequações sempre serão necessárias dependendo do país escolhido.

No mais, tenha foco! Saber o que quer é essencial para correr atrás dos resultados. Usando a força de vontade, você pode até fundar a maior startup do mundo. Porque não? Você tem vontade de ir para algum país em específico? Ainda restam dúvidas? Comente aqui em baixo o que te incomoda que tentaremos te ajudar ao máximo. Abraços e até a próxima!

 

Curso completo para aprender Ruby on Rails

26 de junho de 2017

Seja o primeiro a comentar!

Deixe uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © Becode. Todos os direitos reservados.

Login

ACESSAR COM

FACEBOOKGOOGLE CRIAR CONTA
Criar conta Back to login/register

Envie para um amigo